Ipatinga, 16 de Junho de 2019
NOTÍCIAS

Escolha do nome "Francisco" pelo novo papa reflete momento de transformação da Igreja

- Santo escolhido por Bergoglio é identificado com ideais de paz e vida simples


Papa Francisco I já representa um marco na história da Igreja Católica

Em dois milênios, esta é a primeira vez que o sucessor de Pedro é latino-americano. Não bastasse a representatividade deste fato, Jorge Bergoglio surpreendeu ainda mais e será o primeiro Santo Padre a utilizar o nome de Francisco. A escolha traduz, de certa forma, o momento de transformação que a Igreja Católica pretende viver com o novo papa, uma vez que, segundo as tradições católicas, São Francisco de Assis foi chamado por Deus para reparar uma "igreja em ruínas".

De fato, os desafios que serão enfrentados por Francisco são árduos. A Igreja Católica vive uma estagnação no número de fiéis, bem como a queda na quantidade de padres. Além disso, leis liberais votadas em diversos países ocidentais têm incomodado a igreja. Outro problema que deve ser superado pelo argentino é o escândalo envolvendo denúncias sexuais contra religiosos.

Para o frei Adilson Côrrea da Silva, da paroquia de São Francisco das Chagas, "existe uma igreja antes e uma depois de São Francisco". "Para ele a igreja não deveria ser dos pobres, mas ser pobre", afirmou o religioso. A mesma transformação é esperada de Francisco I que, independentemente dos anos em que seguirá no papado, já marcou a história do catolicismo.

- História de São Francisco de Assis

São Francisco nasceu em Assis, na Itália, no ano de 1182. Seu pai era um rico comerciante de tecidos, o que permitiu a Francisco uma infância e juventude de fartura e a possibilidade de continuar o comércio. Quando jovem, Francisco sempre procurou a realização de grandes ideais e o dinheiro do pai ajudava em seus projetos - vestia as melhores roupas, dispunha de vinho e comida para promover festas entre amigos.

Durante uma revolta do povo contra os nobres da cidade de Assis, Francisco tomou partido na causa social. Durante os confrontos, ele foi preso e permaneceu no cárcere por um ano. Seu pai pagou pela libertação. Enfraquecido e sem projeto de vida, Francisco se empenhou no ideal de buscar voluntários para as suas lutas em defesa dos territórios.

No entanto, em sua primeira cruzada com o exército, reza a tradição que Deus teria questionado o jovem em seu íntimo: "Francisco, a quem deves servir, ao Senhor ou ao servo?" Francisco compreendeu que deveria servir a Deus, abandonou o seu ideal e retornou a Assis humilhado por deixar a luta.

Francisco foi aos poucos se transformando. Passava muitas horas sozinho, buscava lugares isolados no campo e quando encontrava um mendigo, doava o que dispunha no momento. Aos poucos foi se habituando à oração. Na sua conversão, sofria as dúvidas e fraquezas humanas. Em um momento difícil da sua vida, Francisco encontrou no caminho um leproso e, diante do horror das feridas e do odor, pensou em fugir. Movido por um grande amor, venceu o obstáculo, voltou-se para o leproso, e o abraçou e beijou, reconhecendo nele um irmão.

Numa ocasião também importante, encontrava-se em oração na Igreja de São Damião - uma capelinha quase destruída - e olhando o crucifixo e examinando as paredes caídas ao redor, compreendeu o pedido de Deus. "Francisco, reconstrói a minha Igreja". Para empreender o projeto de reconstruir a Igreja, Francisco retirou recursos do pai. Este, já enfurecido pelas atitudes e prevendo o risco de perder o patrimônio nas mãos do filho "maluco", abriu um processo perante o Bispo para deserdá-lo.

Diante das acusações do pai, na frente do Bispo e de todos, Francisco tirou as próprias vestes e, nu, devolveu-as ao pai dizendo: "Daqui em diante tenho somente um pai, o pai nosso do céu".

Francisco passou a reconstruir as igrejinhas caídas, com o seu próprio trabalho, assentando pedras, comendo do que lhe davam na rua. Depois que reconstruiu a Igreja de São Damião, restaurou também uma capela próxima aos muros de Assis e uma outra, a Igreja de Santa Maria dos Anjos.

Com o tempo São Francisco compreendeu que deveria reconstruir a Igreja dos fiéis e não somente as igrejas de pedra. Durante uma missa na leitura do Evangelho ouve e compreende que os discípulos de Jesus não devem possuir ouro, nem prata, nem duas túnicas, nem sandálias. E que devem pregar a Paz e a conversão. No dia seguinte os habitantes de Assis foram surpreendidos quando ele chegou com uma túnica simples, uma corda amarrada à cintura e os pés descalços. A todos que encontrava na caminho dizia. "A paz esteja com vocês!"

São Francisco passou a falar da vida de Evangelho nos lugares públicos de Assis. Falava e agia com tamanha fé que o povo ouvia com respeito e admiração.




 

Copyright © 2012 Todos os Direitos Reservado - www.euamoipatinga.com.br
Eu Amo Ipatinga - E-mall : contato@euamoipatinga.com.br